domingo, 5 de outubro de 2014

5 de Outubro de 1910 - Implantação da República em Portugal


Da Monarquia à República


  • Portugal foi, desde a sua fundação, governado por reis. A essa forma de governo chama-se monarquia.
  • No entanto, nos finais do século XIX, havia muitas pessoas que achavam que a monarquia não era a melhor forma de governar um país: o rei reinava a vida toda. 
  • Quando morria era o filho mais velho, o príncipe, que tomava o seu lugar. 
·         Os problemas que as pessoas viam na monarquia eram devidos a coisas muito simples:
-       E se o rei governasse mal?
-       E se fosse cruel para com os súbditos (o povo)?
-       E se ficasse doente ou louco?
-       E se tivesse ideias extravagantes que prejudicassem as pessoas?
-       E se decidisse mal coisas importantes para o país?
-       E se se deixasse influenciar demais por pessoas com más intenções? 

  • Claro que estes problemas podem acontecer com qualquer governante, fosse ele um rei ou outro...
  • No entanto, as vantagens de uma forma de governar diferente eram vistas como boas. Seria um sistema diferente: uma república. 
  • As repúblicas têm dirigentes eleitos por períodos de tempo mais curtos, e o controlo do poder parecia mais eficaz. 
  • Por tudo isto, grupos de cidadãos portugueses, partidários de um sistema de governo republicano, foram-se revoltando e acabaram por conseguir terminar com a monarquia e implantar a República, como vinha acontecendo noutros países da Europa. 
  • Isto aconteceu a 5 de Outubro de 1910. 
Fonte: http://junior.te.pt/servlets/Rua?P=Portugal&ID=132
D. Manuel II, último rei de Portugal

Bandeira monárquica

Manuel de Arriaga, primeiro Presidente da República eleito

Bandeira adotada pelo regime republicano

Sabias que?
Na Moita, ao contrário do resto do país, a República não foi proclamada no dia 5 de Outubro de 1910, mas sim no dia 4 de Outubro. A população era uma grande apoiante dos ideais da República.

População da Moita junto à Câmara Municipal após a proclamação da República





Sem comentários:

Enviar um comentário